Cirurgião Plástico - Rio de Janeiro - Especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), órgão máximo que dita os meios pelos quais o médico é considerado apto a exercer a cirurgia plástica no Brasil.

Av. das Américas 2480, sala 213, Bloco2, | Lead Américas - Barra da Tijuca  Rio de Janeiro - RJ

contato@bernardoramalho.com.br

(21) 98332 8067  | (21) 3251 4204  |  (21) 98867 3070

© 2020 Dr. Bernardo Ramalho - Todos os Direitos Reservados

MAMOPLASTIA REDUTORA

A mastopexia ou lifting de mamas é o procedimento feito para elevar as mamas caídas. Já a cirurgia de mamoplastia redutora além de reduzir o tamanho das mamas, levanta as mamas caídas.

Mulheres com ptose (queda) nas mamas podem ter sua vaidade seriamente afetada, pois as mamas são um dos principais símbolos da feminilidade. Na mastopexia não há redução ou aumento do volume das mamas, mas sim uma retirada de pele excessiva, reduzindo o flacidez de pele e reposicionando a glândula mamaria e os mamilos.

Há casos onde a prótese de silicone é recomendada para um melhor resultado da elevação das mamas caídas. Este procedimento, a mastopexia com próteses de silicone, segue o procedimento do lifting de mamas só que introduz próteses que ajudam a estruturar e manter as mamas elevadas e bonitas.

Há também o que chamamos de mamoplastia redutora, indicado para pacientes que possuem mamas de moderadas a grandes que desejam reduzi-las por estética ou devido a dor nas costas.

Principais dúvidas:

Anestesia utilizada:

Anestesia geral é a mais utilizada.

A cirurgia de redução das mamas deixa cicatrizes? Onde se localizam?

A cicatriz da mastopexia pode ser de 3 tipos (dependendo de cada paciente)

1) Periareolar: quando em casos de menor flacidez, apenas uma sessão de pele em torno das aréolas é retirada, oferecendo a menor cicatriz possível.

2) Vertical ou em Forma de Pirulito: Nos casos de média flacidez, a cicatriz pode estender-se além dos mamilos, até o sulco inframamário, verticalmente.

3) T Invertido: É a cicatriz resultante em casos de maior flacidez, onde a quantidade de pele retirada é maior.

 

Tempo de cirurgia:

Em média, de 2 a 3 horas. Entretanto, o tempo de ato cirúrgico não deve ser confundido com o tempo de permanência do paciente no ambiente de centro cirúrgico, pois, esta envolve também o período de preparação anestésica e recuperação pós-operatória. O seu médico poderá lhe informar quanto ao tempo total.

Tempo de internação:

Em geral 24 horas.

Tempo de recuperação:

A paciente pode retomar as atividades cotidianas em duas semanas. Os exercícios físicos relativos aos membros inferiores poderão ser reiniciados entre 2 semanas, evitando-se o “alto impacto”. As atividades que envolvam o tórax, geralmente devem aguardar 45 dias.

Resultado final

Apesar do resultado imediato ser muito bom, somente na fase denominada de “período tardio”, entre o 6º e 12º mês, é que as mamas atingirão a sua forma definitiva.

 

Sensibilidade:

Algumas mulheres podem relatar diminuição da sensibilidade, principalmente na área próxima a aréola porém a maioria delas referem melhora após 9 meses de cirurgia.

 

Quanto à amamentação:

Algumas mulheres podem apresentar algum tipo de dificuldade de amamentar.

 

No momento da cirurgia é recomedado que se use meias elásticas para prevenção de trombose venosa e após a cirurgia, a paciente deve usar sutiãs cirúrgicos (recomendado pelo dr Bernardo Ramalho durante a consulta)

 

Todas as dúvidas devem ser elucidadas no pré operatório.

 

Ouvi dizer que algumas pacientes ficam com cicatrizes muito visíveis. É verdade?

Certas pacientes apresentam tendência à cicatrização hipertrófica ou ao quelóide. Essa tendência, entretanto, poderá ser avaliada, até certo ponto, durante a consulta inicial, quando lhe são feitas uma série de perguntas sobre sua vida clínica pregressa, bem como a análise das características familiares, que muito nos ajudam quanto ao prognóstico das cicatrizes. Geralmente, as pessoas de pele clara não tendem a esta complicação cicatricial. Já as pessoas de pele morena têm maior predisposição ao quelóide ou à cicatriz hipertrófica. Isto, entretanto, não é uma regra absoluta. A análise dos antecedentes, como já dissemos, nos facilitará o prognóstico cicatricial, assim como a análise de eventuais cicatrizes prévias.

Existe correção para as cicatrizes hipertróficas?

Vários recursos clínicos e cirúrgicos nos permitem melhorar as cicatrizes antiestéticas na época adequada. Não se deve confundir, entretanto, com a evolução natural do período mediato da cicatrização. Qualquer dúvida a respeito da sua evolução cicatricial deverá ser esclarecida com o seu cirurgião, que fará a avaliação do estado em que se encontra a cicatriz.

Como ficarão minhas novas mamas em relação ao tamanho e consistência?

A consistência ficará normal e o tamanho dependerá do que foi acordado na consulta inicial, além de fatores determinantes como biotipo, assimetria mamária prévia, idade e outras características individuais avaliadas caso a caso. De qualquer forma a evolução segue uma cronologia detalhada à seguir:

A – PERÍODO IMEDIATO: Vai até o 30º dia. Neste período, apesar das mamas se apresentarem com aspecto bastante melhorado, sua forma ainda está aquém do resultado planejado. Lembre-se desta observação: nenhuma mama será “perfeita” no pós-operatório imediato.

B – PERÍODO MEDIATO: Vai do 30º dia até o 3º mês – Neste período, a mama começa a apresentar uma evolução que tende à forma definitiva. São características deste período: um maior ou menor grau de edema das mamas. Além disso, o aspecto cicatricial encontra-se em plena fase de transição. Apesar da euforia da maioria das pacientes, já neste período, costumamos dizer às mesmas que seu resultado ficará melhor ainda, pois, esta será a característica do período tardio.

C – PERÍODO TARDIO: Vai do 3º até o 18º mês. É o período em que a mama atinge o seu aspecto definitivo (cicatriz, forma, consistência, volume, sensibilidade, etc.) É neste período que costumamos fotografar os casos operados, a fim de compará-los com o aspecto pré-operatório de cada paciente.

No caso de nova gravidez, o resultado permanecerá ou ficará prejudicado?

As alterações mamárias durante a gravidez ocorrerão independentemente da cirurgia realizada.

O pós-operatório desta cirurgia é doloroso?

Geralmente não. Este pós-operatório é bastante confortável, desde que você obedeça às instruções médicas, principalmente no que diz respeito à movimentação dos braços nos primeiros dias. Eventualmente, poderá ocorrer dor, que ser facilmente controlada com os analgésicos receitados pelo seu médico. Evite a automedicação.

São utilizados curativos?

Sim. São usados curativos elásticos e modelantes, especialmente adaptados a cada tipo de mama e sutiã apropriado.

Quando são retirados os pontos?

Geralmente, são utilizados pontos que são retirados com 2 - 3 semanas.

Quando poderei tomar banho completo?

Dependendo do caso, até no dia seguinte à cirurgia. Tudo irá depender da evolução da sua cirurgia, assim como o tipo de curativos, observando-se apenas os cuidados especiais que serão explicados pelo seu médico.

Qual a evolução pós-operatória?

Você não deve se esquecer de que, até que se atinja o resultado almejado, as mamas passarão por diversas fases. Se lhe ocorrer a preocupação no sentido de “desejar atingir o resultado definitivo antes do previsto”, não faça disto motivo de sofrimento: tenha a devida paciência, pois o seu organismo se encarregará espontaneamente de dissipar todos os transtornos imediatos que, infalivelmente, chamarão a atenção de alguma pessoa que não se furtará à observação: “Será que isto vai desaparecer mesmo?” É evidente que toda e qualquer preocupação de sua parte deverá ser transmitida ao seu médico que lhe dará os esclarecimentos necessários para sua tranquilidade.

 

 

RECOMENDAÇÕES PRÉ-OPERATÓRIAS:

– Comunicar-se conosco até a véspera da operação, em caso de gripe, indisposição ou antecipação do período menstrual;
– Internar-se no hospital ou clínica indicada na guia de Internação, obedecendo ao horário estabelecido;
– Evitar bebidas alcoólicas ou refeições muito fartas na véspera da cirurgia;
– Evitar todo e qualquer medicamento para emagrecer, que eventualmente esteja utilizando por um período de 10 dias antes do ato cirúrgico. Isto inclui também certos diuréticos;
– Programe suas atividades sociais, domésticas, profissionais ou escolares, de modo a não se tornar indispensável a terceiros, por um período de aproximadamente quatro dias.

 

RECOMENDAÇÕES PÓS- OPERATÓRIAS:

–  Evitar esforços nos 8 primeiros dias;
– Não movimentar os braços em excesso. Obedeça às instruções que lhe serão dadas no momento da alta hospitalar, relativas à movimentação dos membros superiores ou massagens;
– Evite molhar o curativo até que seja autorizada a fazê-lo;
– Não se exponha ao sol até segunda ordem;
– Obedeça à prescrição médica;
– Alimentação normal (salvo casos específicos que receberão a devida orientação), a partir do segundo dia, principalmente à base de proteínas (carnes, leite, ovo) e vitaminas (frutas);
– Voltar ao consultório para curativos subsequentes nos dias e horários estipulados;
– Provavelmente você estará se sentindo tão bem, a ponto de esquecer-se de que foi operada recentemente. Cuidado! Esta euforia poderá levá-la a um esforço inoportuno, o que determinará certos transtornos;
– Não se preocupe com as formas intermediárias nas diversas fases. Tire com seu cirurgião plástico e, somente com ele, as suas eventuais dúvidas.